sábado, 1 de dezembro de 2007

Esportes coletivos – classificação

Quando todos pensam que o mistério dos esportes coletivos está para ser decifrado, a esfinge cria novos complicadores. Não, eles não têm a função de embaraçar ou prejudicar o entendimento, são apenas uma ferramenta elementar dos escritores misteriosos ou, pelo menos, polêmicos. Uma das características de um bom escritor de estórias de mistério é criar uma aura de suspense onde ela, teoricamente, não existiria. Fugir de lugares comuns frequentemente associados ao ideário coletivo de ansiedade e expectativa. Evite cabanas escondidas, jogos de luz e sombra, fumaça em cantos de janela, cartas misteriosas ou mortes com echarpe magenta. Mistério em uma quadra de beisebol, isto faz sentido.

Antes de indicar um esporte para a cliente estropiada seria adequado que os envolvidos (no plural visto ser uma atuação coletiva) soubessem os critérios para classificar um esporte. Desta forma, não restaria dúvida se esta ou aquela modalidade seria considerada coletiva e, portanto, adequada. Entre diversos sistemas classificatórios, escolhi o mais simples. Nele os esportes são classificados de acordo com:

1. cooperação entre participantes - quando a atividade dos participantes não necessita de colaboração de outro participante diz-se que o esporte é individual e coletivo nos casos em que existam atividades colaborativas entre participantes;

2. interação entre os participantes - com interação quando a atividade motora dos participantes depende de ação dos oponentes e sem interação nos casos de ausência de enfrentamento entre os oponentes;

3. estabilidade ambiental – os esporte com estabilidade são praticados em espaços padronizados enquanto os sem estabilidade são realizados em espaços mutáveis que exigem adaptação dos participantes;

4. resultados ou princípios tácticos – dependendo da aferição de resultados os esportes podem ser descritos como de marca (registro quantitativo do resultado, comparável com outros registros), estéticos (qualidade da ação motora determina o resultado) e precisão (depende da aproximação com objetos ou sinalizadores). Quanto aos princípios pode-se encontrar esportes de combate ou luta, de campo e taco, de rede/quadra dividida ou muro e invasão ou territoriais.

Assim o nado sincronizado é classificado como um esporte coletivo, sem interação entre oponentes, com estabilidade ambiental, estético ou técnico combinatório. Como fica fácil a compreensão – despretensiosamente simples. Procurem classificar o futebol, badminton, equitação, bola de gude, ciranda de roda ou qualquer outra atividade lúdica. Uma boa classificação do esporte, antes da escolha, traduz-se em ganho de escala na aplicação dos princípios e no desempenho.

Isto posto pode-se passar a indicação de esportes coletivos. Com a consciência de que o esporte praticado até o momento – caminhada com aeróbica mandibular – preenche os critérios de classificação de coletivo (pela atividade colaborativa da conversa), sem interação entre oponentes (a não ser nos casos em que houver bate-boca com outros caminhantes), sem estabilidade ambiental e ..........


Como classificar o quarto item? Deve-se considerar como de marca, estético, combate ou invasão territorial? Façam suas escolhas.

3 comentários:

Guilherme disse...

Realmente, uma classificação muito simples, rápida e prática de se fazer. Considerando-se que eu tenha a apostila de 97 páginas em mãos o tempo todo como referência para os critérios, claro.

Roberto disse...

Acho que uma "partner de mágico" preencheria bem os quesitos...e depois do quarto item, faria aquele movimento odulante com braços e mãos...

Chris disse...

Eu diria que depende do teor da porção mandibular do exercício - pode se encaixar em todas as categorias sugeridas! No caso específico, eu diria que é estético, já que harmônico!